Te Peguei – Leia a Crítica!

Quando vi o trailer de “Te Peguei” fiquei imaginando como conseguiram fazer um longa com aproximadamente uma hora e quarenta minutos de duração baseado em uma brincadeira de criança que consiste em correr atrás de um amigo até alcançá-lo para encostar a mão nele? Como alguém teve a ideia de transformar isso em um filme, apesar de toda a nostalgia que envolve uma das brincadeiras mais famosas da nossa infância? Apesar da minha desconfiança, seria no mínimo curioso assistir a produção para tirar minhas conclusões, ainda mais quando vi que se tratava de uma história baseada em fatos reais.

Desde a primeira série na escola um grupo de cinco amigos têm um hábito curioso, que realizam pelo menos uma vez ao ano: brincar enlouquecidamente de pega-pega, correndo em uma partida alucinante para ser o último homem de pé ao final da brincadeira, arriscando seus empregos e relacionamentos. Neste ano, que coincide com o casamento do jogador invicto da trupe, eles farão de tudo para derrubá-lo no momento de vulnerabilidade.

Quando a gente lê a sinopse do longa parece até ser interessante, mas como essa premissa que de certa forma é até meio bobinha pode sustentar um filme inteiro? O fato é que o roteiro pega essa simples brincadeira para valorizar o espírito infantil, a inocência da pouca idade, a criança que pelo menos deveria existir dentro de cada um de nós. Sim, a história é muito bobinha, mas em volta da narrativa central existe a valorização da boa amizade que foi cultivada pelo grupo de amigos ao longo de muitos e muitos anos por causa do “pique-pega”.

O que assistimos pode nos trazer duas impressões dependendo do nosso estado de espírito na hora de ver o filme. A primeira delas e talvez mais óbvia é a de que estamos vendo algo simplesmente ridículo. E não me assusto se algum de vocês comentarem ao ler esta crítica que desistiram de ver o longa logo nos primeiros minutos de projeção por achar tudo aquilo muito bobo. Mas por outro lado, se estivermos nostálgicos e simplesmente com vontade de assistir algo bem leve, “Te Peguei” pode nos divertir bastante, apesar de ser “besta”. A brincadeira dos marmanjos nos faz voltar ao passado, na época em que não existiam smartphones e vídeo-games super tecnológicos. No tempo em que nossa alegria era encontrar os amiguinhos e correr na rua fazendo estripulias.

E em volta dessa premissa simples e ao mesmo tempo eficaz, temos piadas muito boas dependendo das situações vividas por cada integrante do excelente elenco do filme. A química entre os atores é muito boa, com exceção Annabelle Wallis que mais parece um poste em praticamente todas as cenas que aparece já que participa de quase tudo sem acrescentar absolutamente nada. O filme ainda tem uma ótima trilha sonora, uma boa direção e acredite se quiser, mas os efeitos especiais também agradam bastante. Sim, tem efeitos especiais nas cenas de “ação” ou poderia dizer “comédia”, sei lá!

E como eu encarei “Te Peguei” apenas como uma boa diversão (nada mais que isso), no fritar dos ovos fiquei de certa forma satisfeito com o resultado final. É bobinho e chatinho em alguns momentos, mas dei boas risadas e isso valeu muito.

Nota 7