Shazam! Leia a Crítica.

Quando saiu o primeiro trailer de Shazam, muita gente desconfiou que este seria um bom filme de super-heróis, inclusive eu. Nas prévias lançadas para a divulgação do filme, o público viu coisas meio, digamos toscas demais. É que diante da legião de fãs que este personagem tem e por se tratar dele ser um dos heróis mais antigos das histórias em quadrinhos, o longa deixou muitas pessoas já desanimadas desde as primeiras notícias. A própria escalação de Zachary Levi pra viver o poderoso Shazam não era muito bem quista, ainda mais depois dele aparecer com aquele uniforme de enchimento.

Mas finalmente o filme foi lançado e tivemos a oportunidade de conferir como ficou o longa. E pra nossa felicidade, pelo menos na minha simples e humilde opinião, o filme ficou muito bom. Bem acima daquilo que eu realmente esperava. Pra começar, o roteiro é extremamente empolgante e traz uma história bem interessante e leve ao mesmo tempo, sem ser aquelas tramas chatas de desenvolvimento do personagem. E claro que dentro dessa premissa, que tem sim um apelo dramático por causa da adoção de um garoto que vive buscando respostas do paradeiro dos pais, existe um alívio cômico que está presente em praticamente todo o filme.

E é justamente na comédia que Shazam, por incrível que pareça, funciona muito bem. O longa é recheado de piadas que nos faz rir bastante. Consegue fazer tirinhas até mesmo com outros super-heróis da DC, no melhor estilo Deadpool, porém ser ser tão pesado como o longa da Marvel. É claro que às vezes o espectador fica um pouco incomodado com tantas piadas e isso de certa forma pode estragar um pouco a experiência, especialmente para aqueles que gostam de filmes mais sérios, mesmo se tratando de longas de heróis.

A roupa tosca de enchimento, o vilão que tenta ser sério diante de uma criança no corpo de um homem, os testes de super-poderes e especialmente as crianças presentes na produção são o diferencial de Shazam. O filme, totalmente diferente do que já vimos antes na DC, agrada por causa dos detalhes que antes desconfiávamos muito. Os efeitos especiais, a trilha sonora empolgante e a direção são bons também.

Zachary Levi está ótimo no papel e se sente muito à vontade na pele do herói que tem a mente de uma criança. E o elenco mirim do filme chama muito a atenção. Todas as crianças trabalham muito bem, especialmente os garotinhos protagonistas Asher Angel e Jack Dylan Grazer que roubam a cena todas as vezes que aparecem. A química entre eles e Zachary é perfeita.

O filme ainda traz ótimas surpresas em sua conclusão e duas cenas pós crédito. Parece que a cada filme a DC percebe que copiar a fórmula da Marvel é sem dúvida o caminho do sucesso.

Nota 8