Invasão Ao Serviço Secreto – Crítica

O primeiro filme dessa trilogia continua sendo pra mim o melhor de todos. “Invasão à Casa Branca” é sem dúvida um ótimo filme para quem é apaixonado pelo gênero “ação”. Depois tivemos uma continuação bastante exagerada e que de certa forma me incomodou bastante por causa do excesso de efeitos visuais e explosões que foi “Invasão à Londres”. Agora em “Invasão Ao Serviço Secreto” temos um longa bem diferente dos anteriores. É uma produção mais parada e até mesmo mais dramática, porém mais cansativa.

Dedicado e sempre focado em seu trabalho, o agente do Serviço Secreto Mike Banning vê sua vida mudar completamente da noite para o dia ao ser acusado de conspirar para o assassinato do presidente dos Estados Unidos. Quando percebe que todos estão atrás dele, Mike corre contra o tempo para descobrir o que realmente aconteceu enquanto foge de outros agentes.

Esta é a premissa do terceiro filme que em minha opinião é a mais fraca de todas. O roteiro não tem absolutamente nada de grandioso e parece que foi feito apenas para que o filme tivesse uma base pra ser desenvolvido em cima e gerar algum lucro para a franquia. A narrativa é bem lenta, apesar de ser um filme de ação. É claro que temos um ponto de partida até interessante quando o personagem principal se torna o suspeito de um atentado contra o presidente que ele passou a vida defendendo. Com isso, as perseguições do começo do longa até agradam, mas logo passam e o filme fica morno.

A trama é muito óbvia e logo de cara já sabemos quem está por trás de tudo, mesmo que isso seja revelado no terceiro ato da projeção. Alguns personagens são colocados na história como se fossem fundamentais para o desenrolar de tudo. Mas estes são simplesmente descartados no fim. O lance da desconfiança política até funciona em determinados momentos, mas acaba ficando clichê com o passar do tempo.

De qualquer forma, ainda é um filme que merece ser assistido já que temos outras boas características como as cenas de ação, os efeitos visuais desta vez mais contidos, as boas atuações do elenco, trilha sonora, boa direção.

Mas em minha modesta opinião esta franquia já deu o que tinha de dar. Aliás até vou mais longe e digo que não deveria ter passado do primeiro filme, afinal foi o longa original o que mais me agradou e acredito que o público também.

Nota 5