Casal Improvável – Leia a Crítica

O nome original do filme é “Long Shot”, mas o título “abrasileirado” parece que nunca caiu tão bem em um longa como este Casal Improvável. É que em momento algum da produção temos uma boa química entre os protagonistas interpretados por Seth Rogen e Charlize Theron. Eles até tentam através dos talentos individuais que cada um tem, mas os problemas da narrativa acabam sendo maiores que o poder de atuação dos dois.

O filme conta a história de uma poderosa Secretária de Estado dos EUA que tem pretensão de ser presidente do país mas se apaixona pelo jornalista desengonçado, o qual ela foi babá quando era adolescente. É como se fosse uma “Bela e a Fera” da típica comédia estilo “pastelão” norte-americano, mostrando as diversidades entre o poder e o anonimato, a dama de carreira bem sucedida e o fracassado, a estilosa e o sem noção. E por aí vai!

Apesar da premissa até parecer interessante para uma boa comédia, a condução da mesma não funciona, principalmente por causa das piadas exageradas que colocam em meio a trama. É aquela velha história de forçar muito a barra na tentativa de tirar gargalhadas do público com coisas absurdas que nunca aconteceriam na vida real. E estes exageros, na maioria das vezes, não me agrada em filmes assim.

E temos inúmeros exemplos disso, como a secretária que recebe a ordem de vestir o jornalista para uma festa extremamente importante para a secretária e ele aparece com um traje todo colorido típico da Suécia enquanto os demais convidados então de roupas de gala. Ou a masturbação que acaba na barba do personagem principal e o vídeo é usado como ameaça à candidata.

Muitos críticos gostaram desse filme, mas eu sinceramente dei risadas em poucos momentos. Charlize Theron é muito chique e fina pra contracenar com Seth Rogen que adora representar o estilo “ogro” de ser. Seria muito improvável essa história dar certo.

Nota 4